sábado, outubro 30, 2004

"NUNCA ME ENGANO E RARAMENTE TENHO DÚVIDAS"


A última vez que tentei póstare um texto, a coisa não correu lá muito bem. Já não bastava a minha exarcerbada abstinência literária, sucede ainda por cima que a minha última criação acabou por não ver a luz do dia. Não sei por que artes do demo, mas a verdade é que a dita saiu em branco. Nicles. Népias.
Na minha doce inocência, presumi que a dita prosa tinha dado entrado no hiperespaço (ou ciber, se preferirem), direitinha ao monitor dos meus fiéis prosélitos. Mas não. Ficou a meio do caminho, perdida numa qualquer área de serviço, algures na imensa Autoestrada da Informação.
Posto isto, queria esclarecer que:

1-Não, não foi de propósito.
2-Não, naõ foi mesmo de propósito
2-Não, não estou a tentar criar nada de novo.
3-Não, não foi nenhuma "pedrada no charco" literário.
4-Não, não fumo disso.
5-Não, não tenho na família pintores abstraccionistas, naif ou coisa que o valha.
6-Não, não ando a experimentar coisas novas; ou pelo menos, nada que atente contra as leis de Deus, a moral e os bons costumes.



segunda-feira, outubro 11, 2004

Homem prevenido vale por dois...

Sábado à noite.
Jantar com pessoal do trabalho -bem regado, menos para o vosso Mr. 7UP- enfim, business as usual. Até aqui, menos mal.
Menos bem estive na hora das despedidas. Ao lado do barracão (e já estou a ser condescendente) onde tomámos o dito repasto, aprochega-se uma jovem (16 anitos, bestialmente ébria) a pedir-me outro cigarro. Sim, outro, porque supostamente já lhe teria dado outro anteriormente. Faz conta. Mas não. Eu nem fumo. Ela é que estava com uma valente carraspana.
Em vez de lhe "dar com o charuto" (C. Martins dixit) limitei-me paneleiramente a encolher os ombros e a tentar convencê-la que estava a falar com outro gajo qualquer, que estava enganada, etc, etc, etc...Enfim, bichanismos avulsos, nos quais não me posso escudar.

Segunda à tarde.
Uma colega (beeeeeeeeeeeeemmmmmmmm boooooooooooaaaaaaaaaaa) que nunca tinha visto mais gorda dirige-se a mim, perguntando-me se tenho um envelope. Isso mesmo, um envelope. E eu -que sou em expoente de solicitude- movo montes, vales e penhascos na tentativa de encontrar um mísero exemplar desse Santo Graal do material de escritório. Em vão, diga-se. E ela lá saiu da sala, de mãos a abanar, envolta numa bruma translúcida, como deusa passeando pela brisa da tarde. Suspiro.

Moral da história:
Tá bem que um raio não cai duas vezes no mesmo sítio, mas já não saio de casa sem um cigarrito e um envelope. You never know...


sexta-feira, outubro 08, 2004

QUÉ FRÔ, QUÉ FRÔ...

Ora leiam lá esta, que é muito boa:

"Um monhé quase a morrer tinha toda a familia em sua volta. Já a fraquejar, pergunta:
- Bashir, estás aqui meu filho?
- Sim, meu pai.
- Sara, também estás?
- Sim, meu pai.
- E tu, Sanjeev?
- Também, meu pai.
- Seus filhos da puta! Quem é que ficou na loja?!?"

segunda-feira, outubro 04, 2004

BAPTISMO DE VENTO

Gostava de dar uma palavrinha às alminhas que baptizam tudo o que é furacão, terremoto e afins. Que raio de ideia, essa de chamar "Hugo", "Charlie", "Jeanne" a tudo o que é desastre natural. Então e nomes como deve ser, não há nada? Que tal "Espiralado Braço de Satã" ou "Mensageiro do Armagedão", hein? Isto é que era um nome à furacão-macho! "El Ninõ"...? Por amor de Deus. Qualquer dia aparece aí algum ciclone "Piruças", não?
Outra coisa que anda a corroer as minhas patrióticas entranhas é o facto de nunca mais termos o nosso furacãozito nacional. É verdade! Até nas catástrofes naturais estamos na cauda de tudo e mais alguma coisa.
A fim de acabar com (mais) esta imoralidade, começo desde já por me chegar à frente e avançar as hipóteses "Maria Francisca", "Maria da Purificação", "Simões", "Antunes" e "Dani do Laranjeiro". Mas fico à espera do douto contributo da minha plateia. Naturalmente.