quarta-feira, junho 29, 2005

CUIDADO, CASIMIRO, CUIDADO COM AS IMITAÇÕES…

Fiz nestes dias uma incursão nocturna pelas Docas. Miserável, o ratio “Nº de Miúda Giras / Total de Miúdas”. A culpa é das americanas gordas, dão cabo da mais bem intencionada média aritmética…

Enfim, lamuriava-me eu aos céus em triste ladaínha, pesaroso pela minha pouca sorte. Muito pouca, mesmo, até porque toda a gente a sabe o que acontece às vozes de burro que apontam ao alto. Adiante.

De súbito, algo inesperado aconteceu: vi a Princesa Diana. Tinha de ser ela: a tiara inconfundível ofuscava como um farol na cinzentona noite lisboeta, carregada de ingleses enresinados e brasileiras daquele género que deixam um gajo na dúvida, se é suposto pagar, ou não.


Não me atrevi a dirigir-lhe a palavra, como essa gorda repelente que se despe nos programas do Herman e que é a verdadeira causa de impotência sexual entre os homens portugueses. Nada disso. Ainda de olhos semi-cerrados pela luz ofuscante, resolvi ganhar coragem e aproximar-me lentamente.

“Estarei doido? Estarei ébrio? Serei parvo…?” – pensei para os meus botões. "Muito provavelmente, um bocadinho de cada."

Tinha que lhe tocar. Tinha que ser. Senti-me como mosca esvoaçando alegremente rumo à electrocussão iminente, inebriada pelo azul desses grelhadores de insectos que habitam os tectos dos cafés. A LUZ!!! A LUZ!!! Aquela luz inebriante clamava por mim: “Toca-me!! Leva-me!!!” Senti um arrepio na espinha, à medida que passava os dedos por aquele estranho objecto. Que sensação indefinível: parecia...plástico...?

Po fim, o feitiço quebrou-se: envolvendo o enigmático adorno estava um quarteirão de luzinhas “à bimbo”, típicas da noite lisboeta. O “quefrô” que a tinha na cabeça olhou para mim desconfiado, como quem diz:

“-Será que este paneleiro me vai apenas apalpar, ou sempre compra a merda da tiara…?”

domingo, junho 19, 2005

O "RECORD" ATACA DE NOVO...

Informa o jornal desportivo na sua capa de hoje:

"Nuno Assis e Carina casaram-se ontem"; "Hugo Almeida e Postiga também deram o nó"

É Primavera...Parabéns aos noivos!!!



quinta-feira, junho 16, 2005

SIZE MATTERS...

O "Record" noticia hoje em manchete:

"Koeman quer matulões"

Enfim, são gostos. Há que respeitar.

segunda-feira, junho 13, 2005

NÃO HAVIA NECESSIDADE...

D. António Marcelino, Bispo de Aveiro, abre-se ao "Correio da Manhã" (secção "Sociedade" 13/06/05):

"Sou um activo apaixonado"

Muito bem. Bonito. Enternecedor. O que importa mesmo é o empenho e a vontade com que fazemos as coisas. Mesmo quando custa um bocadinho.

sábado, junho 11, 2005

SANTIAGO E ESPADALHÃO

Inspirei-me nas 59 condecorações entregues pelo Presidente Sampaio e resolvi seguir-lhe o exemplo. Aqui ficam os "Prémios do Parque - 10 de Junho de 2005", baseados na secção "Convívio" dos Classificados do "Correio da Manhã":


Prémio "Fontes de Energia Alternativa"

Travesti Blenia Algés 23 anos, Turbinada, novidade. Completa, desinibida. Tm:969286699


Prémio "Maior número de anglicismos relacionados com putedo no espaço de duas linhas"

· Domina!!! Bondage/ Footfitche/ Tranformismo/ Dogtraining/ Facesitting/ Trampling +Submissa!!! http://mestraadriana.tripod.com, 96-3553742


Prémio "Maior Aldrabão de Todos os Tempos"

Homem, 39 anos, virgem. Desloco-me durante o dia, a partir das 21 recebo em casa.


Prémio "Fetichismo muito específico"

Hyundai H1 com contentor ano 09/2001 È962656506


Prémio "Mensagem lamechas, dessas que passam em rodapé na Praça da Alegria"

· IC 19... Sou mulher... liga-me... não te arrependerás... Tm.96-4805485



Vá lá, dá-lhe uma oportunidade, caro amigo IC19. Ela ama-te.

terça-feira, junho 07, 2005

"Não, não, eu é que gosto mais..."


Tenho cá por casa um "Fofinho". "Tá bem, pá. E o que é lá isso? É uma cena gay...?" - pergunta o caro leitor com comprensível preocupação. Nada disso, um "Fofinho" é apenas um adolescente cobardemente atraiçoado pelos efeitos da Primavera.

Esta peculiar criatura vive num habitat muito específico, limitado-se a calcorrear nervosamente um círculo com centro no telefone do agregado familiar e diâmetro de cerca de 2 metros.

Animal governado por instintos básicos, desenvolveu o curioso reflexo de fechar a porta da cozinha, sempre que ouve tocar a sineta do telefone. Inesperadamente, ocorre uma estranha metamorfose: o "Fofinho" passa de borboleta pairadora para falcão assassino, despenhando-se sobre o aparelho como se não houvesse amanhã.

Ocorre então outro fenómeno nada menos extraordinário: um mastodonte com 1,80 m, bigode farfalhudo e quatro palmos entre ombros é brutalmente atacado por uma estranha virose, cambiando o seu normal tom de voz para um registo desmesuradamente enrabichado, desses que faria o Castelo Branco parecer um trolha de Famalicão, acabadinho de frequentar o putedo local.

Este "colibri de sala de estar" não necessita de comer, na vulgar acepção da palavra: ele alimenta-se de "carinhos fofinhos", "beijinhos repenicados", "miminhos apertadinhos" e todos os demais subprodutos eventualmente suportados pela linha telefónica.

A linguagem usada por este mamífero é qualquer coisa de extremamente rudimentar, recorrendo sumariamente a três expressões-chave ("Não", "Eu é que gosto mais!" e "Fofinha") que vai usando e recombinando ciclicamente: "Eu é que gosto mais!", "Não, eu é que gosto mais!!", "Não, não , não, eu é que gosto mais!!!" ou mesmo "Não, não, não, não, não! Fofinha, eu é que gosto mais!!!!".

E pronto, foi o "Momento Discovery" cá do Parque.

segunda-feira, junho 06, 2005

Anões, bidés e outras histórias do arco da velha

Anões

Ultimamente, têm-me acontecido as coisas mais incríveis. Ainda assim, não estava convenientemente preparado para o que me esperava ao virar da esquina, perto do gulag onde trabalho. Portugueses e portuguesas: um jantar de anões. Nem mais, nem menos, um simpático jantar/confraternização, daqueles a fazer lembrar o convívio anual das Panteras Sanguinárias do Alto Manhongo, só que sem a parte dos traumas de guerra e das tatuagens com juras de amor eterno, à mãezinha ou à doce Lucinda na distante Vila Nova de Cerveira.

Visto de fora, pelo menos, a coisa parecia animada. E ainda bem. A malta de todos os tamanhos tem que se reproduzir. Olhei alguns segundos para aquele fenómeno e pus-me a andar, tentando não dar muita bandeira. Já dentro do veículo, comecei então a digerir aquele insólito episódio.

Na verdade, segundo as regras do politicamente correcto, não parece nada bem gozar com estas coisas. Porque sou um gajo educado, resolvi precaver o leitor para certo tipo de frases "assassinas" que certamente o porão na lista negra de entidades como a "Sociedade dos Amigos das Pessoas a Baixa Altitude", forrada do chão até ao tecto com posters da idade de ouro do Pequeno Saúl, isto é, quando ainda era pequeno. Entre os mais desagradáveis conversation-stoppers, destaco as seguintes pérolas:

"-Tudo em cima?"

"-Então, como é isso de ter 30 anos e vestir-se na Cenoura?"

"-Faltou-te um bocadinho assim..."

E depois não venham cá dizer que o Parque só serve para gozar. Está provado que me preocupo com as minorias. "Minorias" é, realmente, um termo muito apropriado.

Bidés

Outra coisa muito mais importante que estas palermices: parabéns ao amigo Bidé, que esteve ontem a apresentar as suas "Leituras de casa de banho" na Feira do Livro. A não perder, na FNAC.

Outras histórias do arco da velha

Ficam para a próxima postada, num Parque perto de si.