segunda-feira, junho 06, 2005

Anões, bidés e outras histórias do arco da velha

Anões

Ultimamente, têm-me acontecido as coisas mais incríveis. Ainda assim, não estava convenientemente preparado para o que me esperava ao virar da esquina, perto do gulag onde trabalho. Portugueses e portuguesas: um jantar de anões. Nem mais, nem menos, um simpático jantar/confraternização, daqueles a fazer lembrar o convívio anual das Panteras Sanguinárias do Alto Manhongo, só que sem a parte dos traumas de guerra e das tatuagens com juras de amor eterno, à mãezinha ou à doce Lucinda na distante Vila Nova de Cerveira.

Visto de fora, pelo menos, a coisa parecia animada. E ainda bem. A malta de todos os tamanhos tem que se reproduzir. Olhei alguns segundos para aquele fenómeno e pus-me a andar, tentando não dar muita bandeira. Já dentro do veículo, comecei então a digerir aquele insólito episódio.

Na verdade, segundo as regras do politicamente correcto, não parece nada bem gozar com estas coisas. Porque sou um gajo educado, resolvi precaver o leitor para certo tipo de frases "assassinas" que certamente o porão na lista negra de entidades como a "Sociedade dos Amigos das Pessoas a Baixa Altitude", forrada do chão até ao tecto com posters da idade de ouro do Pequeno Saúl, isto é, quando ainda era pequeno. Entre os mais desagradáveis conversation-stoppers, destaco as seguintes pérolas:

"-Tudo em cima?"

"-Então, como é isso de ter 30 anos e vestir-se na Cenoura?"

"-Faltou-te um bocadinho assim..."

E depois não venham cá dizer que o Parque só serve para gozar. Está provado que me preocupo com as minorias. "Minorias" é, realmente, um termo muito apropriado.

Bidés

Outra coisa muito mais importante que estas palermices: parabéns ao amigo Bidé, que esteve ontem a apresentar as suas "Leituras de casa de banho" na Feira do Livro. A não perder, na FNAC.

Outras histórias do arco da velha

Ficam para a próxima postada, num Parque perto de si.

Sem comentários: