quarta-feira, junho 29, 2005

CUIDADO, CASIMIRO, CUIDADO COM AS IMITAÇÕES…

Fiz nestes dias uma incursão nocturna pelas Docas. Miserável, o ratio “Nº de Miúda Giras / Total de Miúdas”. A culpa é das americanas gordas, dão cabo da mais bem intencionada média aritmética…

Enfim, lamuriava-me eu aos céus em triste ladaínha, pesaroso pela minha pouca sorte. Muito pouca, mesmo, até porque toda a gente a sabe o que acontece às vozes de burro que apontam ao alto. Adiante.

De súbito, algo inesperado aconteceu: vi a Princesa Diana. Tinha de ser ela: a tiara inconfundível ofuscava como um farol na cinzentona noite lisboeta, carregada de ingleses enresinados e brasileiras daquele género que deixam um gajo na dúvida, se é suposto pagar, ou não.


Não me atrevi a dirigir-lhe a palavra, como essa gorda repelente que se despe nos programas do Herman e que é a verdadeira causa de impotência sexual entre os homens portugueses. Nada disso. Ainda de olhos semi-cerrados pela luz ofuscante, resolvi ganhar coragem e aproximar-me lentamente.

“Estarei doido? Estarei ébrio? Serei parvo…?” – pensei para os meus botões. "Muito provavelmente, um bocadinho de cada."

Tinha que lhe tocar. Tinha que ser. Senti-me como mosca esvoaçando alegremente rumo à electrocussão iminente, inebriada pelo azul desses grelhadores de insectos que habitam os tectos dos cafés. A LUZ!!! A LUZ!!! Aquela luz inebriante clamava por mim: “Toca-me!! Leva-me!!!” Senti um arrepio na espinha, à medida que passava os dedos por aquele estranho objecto. Que sensação indefinível: parecia...plástico...?

Po fim, o feitiço quebrou-se: envolvendo o enigmático adorno estava um quarteirão de luzinhas “à bimbo”, típicas da noite lisboeta. O “quefrô” que a tinha na cabeça olhou para mim desconfiado, como quem diz:

“-Será que este paneleiro me vai apenas apalpar, ou sempre compra a merda da tiara…?”

Sem comentários: